Cultura

      A cultura pelotense é influenciada pela identidade com os países latino -americanos, substanciado  na figura e nos hábitos do gaúcho Pela forte presença do imigrante adquiriu hábitos e tradições europeias, assim como pela cultura africana. Resultante desta miscigenação de um povo dotado de um traço cultural distinto, que se expressa através de manifestações de movimentos artístico de ideias avançadas. Pelotas evidencia–se por ser um centro polarizador na área de saúde,  sendo que os municípios do sul do Estado utilizam-se  de vários serviços  de alta complexidade, que são oferecidos nas áreas hospitalar cirúrgica, diagnósticos por imagem e de analises clínicas. A cidade também é o principal polo estudantil do interior do Rio Grande do Sul. São 33% da população total da pré – escola  ao terceiro grau, o que representa 133.196 estudantes  que recebem educação  em 358 unidades de ensino. Tem-se na cidade aproximadamente  16.729 pessoas que trabalham na área da educação.

     Pelotas possui o maior colégio municipal da america latina, que oferece ensino do nível fundamental ao médio; cinco instituições que oferecem um diversificado número de cursos de graduação e de pós graduação, sendo duas universidades, um Centro Federal Tecnológico (o único no Estado) reconhecido pelo Ministério da Educação como um dos mais importantes  centros do país. A cidade sempre desde o seu inicio, foi urbana e cosmopolita, sendo um dos maiores  Centros Culturais do interior do País. Teve e ainda tem, a influência de seus colonizadores portugueses, por excelência, seguido de franceses, alemães e italianos. A estabilidade é uma característica forte de sua cultura, dificilmente igualada por outras regiões do País.

      É o polo regional de comércio e serviços, tem um amplo patrimônio Histórico, Cultural e Arquitetônico, sua região colonial tem um vasto potencial turístico. Os Balneários  da Praia do Laranjal, em uma das maiores lagoas do mundo, é ideal para as práticas de esportes aquáticos.

       A cidade também é conhecida como a “Capital Nacional do Doce” e pela diversidade gastronômica contando com  números de bares e restaurantes.

 Autoras: Lisandra Furtado, Andressa Duarte
e Rosemar Gomes Lemos